Este é o momento em que coordenadores e gerentes de TI vão a loucura com esta headline. Mas é verdade, gestão de TI é muito fácil, se você tem o conhecimento técnico e boa capacitação para gestão.

ITIL e o ITSM nos mostra claramente o passo a passo para gerenciar os serviços de TI, e a ITIL v4 está simplificando e segmentando ainda mais os processos. Já para entendermos como gerar valor para o negócio temos o COBIT.

Se o seu negócio precisa dar atenção para segurança temos a ISO 27001/2. Se você precisa gerenciar projetos, tem o PMBOK.

Quer automatizar seus processos e unificar suas equipes, use DevOps.

Para facilitar toda sua gestão e reports existem dezenas de ótimas ferramentas.

E quanto a profissionais qualificados? Este é um ponto sensível, mas também existem metodologias para resolver.

Tudo na TI tem métodos, processos e ferramentas para serem aplicados e facilitarem sua gestão.

Ok! Mas então por que é tão difícil, estressante, complexo e complicado de mostrar resultados?

Esse assunto poderia gerar um livro, mas vamos simplificar ao máximo, antes que você desista do artigo e vá embora:

Desde sempre, certificações e metodologias são estudadas para constar no currículo e no portfólio da empresa, não para aplicar.

Pare de fazer planos para um dia aplicar e gerenciar processos e realmente aplique. Não decore as boas práticas, entenda e pense quais podem gerar valor para sua empresa. Comece hoje a fazer um esboço e já coloque data para aplicar.

Se você tentar usar todas as boas práticas e todos os livros da certificação, você vai ficar anos tentando e não vai conseguir. É muito chato, moroso e não da resultado.

Separe algumas práticas mais urgentes, umas 2 ou 3 e aplique com máxima dedicação, depois passe para outras. Acredito que em 1 ano você terá mudado radicalmente o seu setor e o seu negócio.

DevOps, metodologias ágeis, automação… Como aplico isso?

Novamente segmentando… Tudo isso é muito novo e não adianta querer implantar todas as novidades de uma vez, pois é certo que você vai falhar.

Já que não existem padrões consolidados, não temos profissionais capacitados e não tem como validar se todas estas novidades vão gerar valor para o negócio e justificar o investimento.

O que você faz? Segmenta, começa devagar, mas “começa” de verdade. Automatize coisa simples, faça testes de metodologias aplicando em serviços menores. É certo que você vai errar, então erre em coisas pequenas com rápido rollback. Assim você vai aprendendo e ganhando maturidade para operações mais complexas.

Fazendo isso, como você acha que vai estar daqui um ano?

E se invés disso você fazer um mega projeto DevOps, contratar profissionais top e estabelecer um cronograma agressivo. Como vai estar daqui um ano? Quanto vai ter gasto? Quantos problemas vai ter gerado ao longo do caminho?

Agora vamos a pior parte… Onde encontro os profissionais capacitados para fazer tudo isso?

Não encontra, você qualifica!

A maioria dos profissionais tem certificações e conhecimentos inovadores somente no currículo. Não por culpa deles, mas por culpa das empresas e gestores que também não aplicam o que pregam e não utilizam as boas práticas de forma efetiva.

Os profissionais que tem certificações, aplicam efetivamente as boas práticas, conhecem DevOps e entendem do negócio estão muito bem empregados, com um bom salário e vai ser muito difícil contratar.

Sendo assim, melhore seu processo de seleção, aprenda a entrevistar e identificar profissionais com potencial de rápido aprendizado e adaptação a cultura da empresa. Pare de colocar dezenas de exigências e siglas. Invés disso avalie experiência, projetos e capacidade de aprender.

Afinal, você quer um profissional com 5 anos de experiência em uma determinada ferramenta ou um profissional que em 1 ano domine qualquer ferramenta?

Quer alguém que conheça um pouco de infraestrutura e SQL, ou um profissional que entenda muito de infra, comece gerando resultado e aprenda um pouco de SQL em 6 meses?

Para fechar tudo isso, vamos para cereja do bolo:

Você precisa apresentar resultados, precisa justificar a existência do seu time de TI e aprovar novos investimentos. Resumindo você precisa de reconhecimento e “dinheiro”.

Para isso não adianta instalar uma mega ferramenta com dezenas de gráficos em um dashboard mega colorido.

Instale esta ferramenta e use 3 ou 4 gráficos com informações relevantes e de interesse da diretoria. Eles não querem saber quantos servidores você tem ou quantos problemas resolveu.

A diretoria quer saber quanto de dinheiro você economizou e quanto lucro gerou com aqueles 5 servidores que você pediu e aqueles caras de DevOps caríssimos que você contratou.

Resumindo: não invente a roda, “todas”as soluções, metodologias e boas práticas já foram inventadas, testadas e funcionam, basta você estudar e aplicar efetivamente.

Comece simples e segmente todos os projetos e suas ações, assim fica mais fácil aplicar e enxergar resultados.

Eu sei que simplifiquei demais todos os processos de gestão de TI, e não é beeem assim…

Mas entenda definitivamente que são apenas dois itens que regem uma boa gestão: conhecimento e investimento. Tendo isso, o céu é o limite do que você pode fazer.

Porém o gap em um destes itens ou em ambos é o que torna qualquer gestão complexa, pois nos obriga a ser criativos e buscar soluções alternativas, que na maioria da vezes não são as ideais.

Então o seu maior trabalho é eliminar estes gaps e facilitar a sua gestão de TI.

Um abraço!

Deixe uma resposta